"Ilusório Relógio da Vida", Mário PC

“Ilusório Relógio da Vida” (2013), Mário PC / Editora Multifoco
Click here for buy an example of the book
Clique aqui para adquirir um exemplar do livro

 

​Photo by Filipe Cohen, cover art by Nino Grandi.

 

The  “Ilusório  Relógio  da  Vida”  (Illusory Clock of Life)  as a concept promotes reflective poetic   form   of  the   rescue  of  individualism  massacred   by  fear that  affects  humans against  the  meaninglessness of his own existence. Press the reconstruction of society on an  equal   basis,  egalitarian.  Brings   in   its   wake   the   texts   of   the   author   and   the revelatiothe   evolutionary   significance   of  time,  utopian paramount.n of his most ambitious  dream.  Alludes  to  man’s life while being supported by the evolutionary significance of time, utopian paramount.


It is a ransom, a call to life. Points to the idea of a full existence, not oppressive, that all social beings while preserving themselves through ducts worthy. No room for enslavements or cheated. An educational book, poetic and instigator. 
 
* Preface: Marco Antonio Tavares Coelho - Writer and brave opponent of military dictatorship
 
…“The work, the poems and reflections of Marinho resemble the tireless work of the miners. Marinho will “bateiando” human feelings, separating unnecessary to shine the gold nuggets, juice all feelings, saying eternal and indestructible. Such nuggets are there, everywhere, in all things, in all people. To shine only with the help of a miner - as Marinho PC. “ 
São Paulo, October 2012
Marco Antonio Tavares Coelho
 
* Ears book text: Olavo Romano - writer and president of the Academia Mineira de Letras (Minas Gerais Literature Academy)
 
…“Mario turns the page, Compost in pain renewal. Passionate prophet, abhors this dying world. Categorical requires the primacy of ethics, Kant governing customs and values. Like John Bully, however, has its moments in life. mutation in heaven feels intense internal release cycle that closes, welcomes the light already shines. Muses “dadivosas” prepare offerings for the new times. “
Olavo Romano 
 
* Text of the 4th Cover: Octavio Caruso (Actor, Writer, Film Critic and Film Director)
 
…“What will readers along these pages is sensitive to fine production of a talented artist born, elegant compositions ranging from blues to rock protest music to be worked by all who, like the author, not cower before the illusionary clock of life, but embrace it in all its fascinating possibilities. “
Octavio Caruso
 
Português
 
O “Ilusório Relógio da Vida” enquanto conceito reflexivo promove de forma poética o resgate do individualismo massacrado pelo medo que acomete o homem frente à ausência de sentido de sua própria existência. Prima pela reconstrução de uma sociedade sobre uma base equânime, igualitária. Traz nos seus textos o despertar do autor e a revelação de seu sonho mais ambicioso. Faz uma alusão à vida do homem enquanto ser evolutivo amparado pela significância do tempo, utopicamente primordial. É um resgate, um chamado à vida. Aponta para a ideia de uma existência plena, não opressora, em que todos enquanto seres sociais preservam-se por meio de condutas dignas. Não há espaço para escravizações ou ludíbrios. Um livro educacional, poético e instigador.
Mário PC
 
* Texto das orelhas: Olavo Romano (Escritor e Presidente da Academia Mineira de Letras)
 
..."Mário vira a página, aduba entre dores a renovação. Profeta apaixonado, abomina este mundo agonizante. Categórico, exige o primado da ética, Kant regendo costumes e valores. Como João Valentão, no entanto, tem seus momentos na vida. Sente intensa mutação no céu interno, libera o ciclo que se fecha, saúda a luz que já cintila. Musas dadivosas preparam oferendas para os novos tempos."
 
Olavo Romano
Presidente da Academia Mineira de Letras
 
* Prefácio: Marco Antônio Tavares Coelho (Escritor e bravo oponente da ditadura militar)
 
 
..."O trabalho, as poesias e as reflexões de Marinho assemelham-se à incansável atividade dos garimpeiros. Marinho vai bateiando os sentimentos humanos, separando o desnecessário, para fazer reluzir as pepitas de ouro, o suco de todos os sentimentos, dizeres eternos e indestrutíveis. Essas pepitas estão aí, em todos os lugares, em todas as coisas, em todas as pessoas. Para brilhar, só com a ajuda de um garimpeiro – como Marinho PC."
São Paulo, outubro de 2012
Marco Antônio Tavares Coelho
 
* Texto da 4ª capa: Octavio Caruso (Ator , Crítico e Diretor de Cinema)
 
..."O que os leitores terão ao longo destas sensíveis páginas é a fina produção de um talentoso artista nato, composições elegantes que vão do blues ao rock de protesto, partituras a serem trabalhadas por todos que, assim como o autor, não se acovardam perante o ilusório relógio da vida, mas abraçam-no em todas as suas fascinantes possibilidades."
Octavio Caruso
Ator , Crítico e Diretor de Cinema

 

  • Facebook clássico
  • Twitter clássico
  • Google+ clássico

"O Saxofone Pop dos Anos 80", Mário PC

“O Saxofone Pop dos Anos 80” (The 80's Pop Saxophone) (2012), Mário PC/ Editora Multifoco 
 

Click here for buy an example of the book

Clique aqui para adquirir um exemplar do livro 

 

Photo by Filipe Cohen, cover art by Nino Grandi. 

 

“I am a saxophonist, and my experience of over 30 years has brought me to this research in order to study the use of the saxophone - its rise and decline - in the style pop-rock in the 1980s.The implications of this phenomenon, relevant pedagogy in the teaching of music, are also addressed in this research, aiming at the cognition of the new requirements of the labor market and its variables in learning music.

 

 

This  study  aspects  related  to  employment  opportunities  for  any  instrumentalists  in  the  labor market of Brazilian popular  music  shows to  be  relevant in that it  prompts  a deeper reflection about  the formation of the musician and his efficiency on the possibilities of professional performance in contemporary Brazil. 

 

Talking  Sax  is  no  longer  just  stick  to  the  phenomenon  of  jazz  Years 1940  -  The  Bebop  Era  -  when  the saxophone was  revealed  as  a prominent  soloist, either  rock  the Years 1960 - The  Age of Rock’n Roll - when the  saxophone  began  to divide  the  space  soloist  in  the  music  scene  with  the  electric  guitar.  The 1980s through the music scene of pop-rock, the saxophone entered in another context.

 

The 1990 withdrew the instrument’s art scene since the release excessive wear promoted by the use of this musical instrument for the purpose of sales promotions, and its overuse in a musical language considered by some misguided. It was not just the use that was made of the picture and sound of this instrument as a mechanism to promote sales. The saxophone was present in movies, selling habits; commercials, selling all kinds of products, a tangle of issues and subjective definitions to the instrument and the music itself. Nor was little exploration has been done promotional, coupled with eroticism in favor of the saxophone in order to perpetuate its projection in the media as an instrument supposedly endowed with sophistication, sensuality, and sublimation.Since the U.S. pop-rock music as a vehicle, the saxophone has spread in the 1980s by Brazil and the world as a craze. The “national rock” music movement that occurred in the country in the 1980s, gave the saxophone support necessary rest for their support along the national music scene. Although saxophone solos were hallmark of many singers, songwriters, and bands on their phonograph records, the same way you came, went, causing unemployment to saxophonists.In finding of facts and speculations, to emphasize points that likely would have led to the saxophone rise and decline, rooted not only in music but in the psychology of human motivation and behavior. “ 

 

* Ears book text - Lulu Santos

 

Watching the DVD “My Name Is Maceo”, try to measure how long the sax is a central voice in pop music. The first “hit” of my personal history, the R & B “Let’s twist again”, Chubby Checker, had intro or sax solo. The dance bangers Wilson Pickett, Otis Redding and Archie Bell, who torched the lanes of the Sunday-‘60, inevitably brought arrangements metals. In ‘70, the recording of “Brown Sugar”, the Stones, had a sax solo by Bobby Keys. Also in ‘70, the period of domination of Disco music - originally a legitimate part of R & B - contained its coefficient regular sax, including the successes of King Curtis. All this without even mentioning James Brown and the JB’s. Still, it is futile and unnecessary to try to refute the thesis that the PC eighties gave way and focus the instrument, its sound and influence in pop music. Therefore, do not even try. In my own musical history, the sax was inevitable. Fails to appear on the first album, “Modern Times,” but how, with a career strengthened by some measure of recognition and success, I could make my own choices and options, the sax solo comes in “Guess what.” Becomes almost impossible to configure some representation of my “sound” that does not include some form of breath.

 

Not coincidentally, on recordings and in the formation of our current traveling show, the important post has been duly occupied by the author of the book you have in hand. These are the words of an expert. 

 

Lulu Santos

 

* Preface - Professor Eduardo Lakschevitz - Head of Composition and Conducting UNIRIO - July 2012.

 

- Teacher, you could guide me in TCC?

- What about what you want to write?

- About the saxophone, my instrument.

- OK, but what is your question, your point of view?

- Frankly, I really want is to understand why our labor market varies so much. There are times when it works hard, but in others, as now, we are many weeks, and even months, with no opportunity to play.

 

Curiosity demonstrated in the discussion above is the tonic this book. Uncomfortable with the situation of your professional activity, an brazilian instrumentalist seeks to understand their work from a different perspective from that of a technical or aesthetic commonly found in the literature about the instrumental music. One wonders about the possibilities of working musician, always aware of the factors that determine extramusical their places of work in contemporary social context.

 

The decision to be a musician is hard. Involves not only one talent, but also courage and boldness - that no musician heard expressions of “concern” among family and friends when they learned of this career choice? However, since starting to work in the labor market, the musician is realizes a closed environment and conservative (and already overcrowded) rarely questioned. This is exactly the issue here addressed: how is the job market for the saxophonist? It was always like this? What are the determinants of this situation?

 

The text also brings up the speed with which they can changing models of musical activity. The use of the saxophone with diverse backgrounds and musical styles, since its invention, in the nineteenth century, is a good example of this process. Same without privileged seat in symphony, which is used sporadically, saxophone moves properly by bands, orchestras, jazz combos instrumental suits of metal, and brazilian popular music groups. In this light, the question generating this text can be perceived as more a chapter in the long history of saxophone reinvention. Demand for instrumentalist live a long process changing. Urge that this musician is sensitive to new possibilities are revealed.

 

The sources used in this work are also worthy of note. Alternative approaches on the musical object require a longer horizon of references: newspaper articles, authors in the fields of sociology, psychology and cultural studies, and Internet sites (increasingly present in research contemporary issues), as well as interviews with artists who participated actively in the processes observed here, and which are the author’s frequent interlocutors paths the Brazilian musical life. The dialogue with such a range of authors makes this a pleasurable reading text.

 

When searching far beyond the possibilities of notes, fingerings, inlets and sounds, Mario PC invites reader to think of the musician in the context of society that sustains it. The quest here is to understand “why do?” instead of “how?” an essential reflection to musicians today. As Saul reminds Kaplan2, “we to reinvent ourselves several times in the course of our lives and careers. ” Such reinvention is only possible with nonconformity and curiosity, qualities that pervade this book from first to last page. 

 

 

Português

 

“Sou saxofonista, e minha experiência profissional de mais de 30 anos me trouxe a esta pesquisa no intuito de estudar o uso do saxofone – sua ascensão e declínio – no estilo pop-rock na década de 1980. 

 

As implicações deste fenômeno, relevantes à pedagogia no ensino da música, são também tratadas nesta pesquisa, visando à cognição das novas exigências do mercado de trabalho e suas variáveis no aprendizado da música.

 

O presente estudo de aspectos relativos às oportunidades de emprego para quaisquer instrumentistas no mercado de trabalho da música popular brasileira mostra-se relevante na medida em que instiga uma reflexão mais aprofundada acerca da formação do instrumentista e de sua eficiência diante das possibilidades de atuação profissional no Brasil contemporâneo. 

 

Falar de saxofone não é mais apenas se ater ao fenômeno do jazz dos Anos 1940 – A Era do Bebop – quando o saxofone se revelou como solista proeminente, tampouco do rock dos Anos 1960 – A Era do Rock’n roll –, quando o saxofone começou a dividir o espaço de solista na cena musical com a guitarra elétrica.

A década de 1980, por meio da cena musical do pop-rock, inseriu o saxofone em outro contexto.

 

A década de 1990 retirou o instrumento da cena artística, dado o desgaste promovido pela divulgação excessiva da utilização deste instrumento musical com a finalidade de promoções comerciais, e por seu uso excessivo em uma linguagem musical considerada equivocada por alguns. Não foi pouco o uso que se fez da imagem e do som deste instrumento como mecanismo para promover vendas. O saxofone esteve presente em filmes, vendendo hábitos; em comerciais, vendendo os mais diversos produtos; num emaranhado de questões e definições subjetivas ao instrumento e à própria música. Também não foi pouca a exploração promocional que se fez, aliada ao erotismo em prol do saxofone, no intuito de perpetuar a sua projeção na mídia na qualidade de instrumento supostamente dotado de requinte, sensualidade, e sublimação. Tendo a música estadunidense pop-rock como veículo, o saxofone se propagou na década de 1980 pelo Brasil e pelo mundo como uma mania. O “rock nacional”, movimento musical que ocorreu no país na década de 1980, deu ao saxofone o suporte restante necessário para a sua sustentação junto à cena musical nacional. Embora solos de saxofone fossem marca registrada de muitos cantores, compositores, e grupos musicais em seus registros fonográficos, da mesma forma que surgiram, se foram, gerando desemprego para saxofonistas. Na apuração de fatos e especulações, enfatizam-se pontos prováveis que teriam levado o saxofone à ascensão e ao declínio, calcados não só na música, mas na psicologia do comportamento e das motivações humanas.”

 

Mário PC

 

* Texto das orelhas

 

Assistindo ao DVD “My Name is Maceo”, tento medir há quanto tempo o sax é uma voz central na música pop. O primeiro “hit” da minha história pessoal, o R&B “Let's twist again”, de Chubby Checker, tinha intro ou solo de sax. Os petardos dançantes de Wilson Pickett, Otis Redding e Archie Bell, que incendiavam as pistas das domingueiras dos '60, inevitavelmente traziam arranjos de metais. Nos '70, a gravação de “Brown Sugar”, dos Stones, tinha um solo de sax por Bobby Keys. Ainda nos '70, o período de dominação da Disco music – originalmente, uma vertente legítima de R&B – continha seu coeficiente regular de sax, incluindo os sucessos de King Curtis. Isto tudo sem sequer mencionar James Brown e os JB's. Ainda assim, é fútil e desnecessário tentar refutar a tese de PC de que os anos oitenta deram forma e foco ao instrumento, sua sonoridade e influência na música pop. Por isto, nem tento. Em minha própria história musical, o sax foi inevitável. Não chega a aparecer no primeiro disco, “Tempos Modernos”, mas assim que, com a carreira fortalecida por alguma medida de reconhecimento e sucesso, pude fazer minhas próprias escolhas e opções, o solo de sax surge em “Advinha o que”. Passa a ser quase impossível configurar alguma representação do meu “som” que não inclua alguma forma de sopro.

 

Não coincidentemente, em gravações e na formação atual do nosso espetáculo itinerante, o importante posto vem sendo devidamente ocupado pelo autor do livro que você tem em mãos. São palavras de um especialista.

 

Lulu Santos

 

* Prefácio

 

– Professor, você poderia me orientar no TCC?

– E sobre o que você quer escrever?

– Sobre o saxofone, meu instrumento.

– OK, mas qual a tua questão, o teu ponto de vista?

– Com franqueza, quero mesmo é entender porque nos­so mercado de trabalho varia tanto. Há épocas em que se trabalha muito, mas em outras, como agora, ficamos muitas semanas, e até meses, sem oportunidade de tocar.

 

A curiosidade demonstrada na conversa acima é a tônica deste livro. Desconfortável com a situação de sua atividade pro­fissional, um instrumentista brasileiro procura compreender seu trabalho por uma ótica diferente daquela de caráter técnico ou estético, comumente encontrada na literatura sobre a música instrumental. Indaga-se sobre as possibilidades de trabalho do músico, sempre atento aos fatores extramusicais que determi­nam seus lugares de atuação no contexto social contemporâneo.

 

A decisão de ser músico é difícil. Envolve não somente O talento, mas também coragem e ousadia – que músico não ouviu expressões de “preocupação” entre familiares e amigos quando souberam dessa escolha profissional? Contudo, uma vez começando a atuar no mercado de trabalho, o músico se percebe num ambiente fechado e conservador (e já superlota­do), raramente questionado. É este exatamente o assunto aqui tratado: como é o mercado de trabalho para o saxofonista? Foi sempre assim? Quais os fatores determinantes dessa conjuntura?

 

O texto também traz à baila a velocidade com que podem mudar os modelos da atividade musical. O uso do saxofone em diversas formações e estilos musicais, desde sua inven­ção, no Séc. XIX, é um bom exemplo desse processo. Mesmo sem cadeira cativa na orquestra sinfônica, onde é utilizado esporadicamente, o saxofone transita com propriedade por bandas de música, orquestras de jazz, combos instrumen­tais, naipes de metais, e grupos de MPB. Por esse prisma, a questão geradora deste texto pode ser percebida como mais um capítulo da longa história de reinvenções do saxofone. A demanda pelo instrumentista vive um longo processo de constante mudança. Urge que este músico seja sensível às novas possibilidades que se descortinam.

 

As fontes utilizadas nesse trabalho também são dignas de nota. Olhares alternativos sobre o objeto musical exigem um horizonte mais alargado de referências: artigos jornalísticos, autores nas áreas de sociologia, psicologia e estudos culturais, e sítios da internet (cada vez mais presentes na pesquisa de assuntos contemporâneos), além de entrevistas com artistas que participaram ativamente dos processos aqui observados, e que são interlocutores frequentes do autor pelos caminhos da vida musical brasileira. O diálogo com essa gama de auto­res faz deste um texto de leitura agradabilíssima.

 

Ao pesquisar muito além das possibilidades de notas, de­dilhados, embocaduras e sonoridades, Mario PC convida o leitor a pensar no trabalho do músico no contexto da socie­dade que o sustenta. A busca, aqui, é entender “por que fa­zer?”, em vez de “como fazer?”, uma reflexão imprescindível aos músicos na atualidade. Como lembra Saul Kaplan, “te­mos que nos reinventar diversas vezes no decorrer de nossas vidas e carreiras”. Tal reinvenção só é possível com inconfor­mismo e curiosidade, qualidades que perpassam este o livro da primeira à última página.

 
 
Professor Doutor Eduardo Lakschevitz
Chefe do Departamento de Composição e Regência da UNIRIO
  • Facebook Social Icon
  • Instagram ícone social

Books